Notícias

Saúde alerta sobre cuidados para manter boa memória

Ansiedade, depressão e até o uso contínuo de medicamentos podem ser prejudiciais, diz especialista de ambulatório estadual

O AME (Ambulatório Médico de Especialidades) “Psiquiatria”, unidade da Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo localizado na zona norte da capital paulista, decidiu alertar a população sobre como prevenir e detectar indícios de problemas relacionados à memória e outras funções cognitivas, conhecida como Comprometimento Cognitivo Leve (CCL). A ansiedade, a depressão e até mesmo o uso contínuo de medicamentos para dormir podem gerar o problema.

Segundo o psiquiatra Fabio Armentano, que coordena o Grupo de Psicogeriatria do AME, a maior parte das queixas relacionadas ao esquecimento vem de pacientes da terceira idade, mas também podem ocorrer na população mais jovem.

“Quando o paciente se queixa, nós fazemos uma investigação completa, que inclui avaliação médica e pode envolver testes das funções cognitivas, além da realização de exames laboratoriais e  de neuroimagem, como tomografia computadorizada ou ressonância magnética. O CCL tem uma série de causas possíveis, desde a depressão, a ansiedade e o efeito de medicações para o sono, até problemas clínicos como o hipotireoidismo, a deficiência de vitaminas e a diabetes descompensada”, afirma Armentano.

Não há medicamento específico para o CCL e o tratamento normalmente é focado nos fatores que, possivelmente, geram o esquecimento. Por isso, cada caso é avaliado individualmente e, muitas vezes, o acompanhamento é multidisciplinar, envolvendo psicologia, terapia ocupacional, psiquiatria, entre outras áreas.

Segundo Armentano, pacientes portadores de CCL apresentam queixas de alterações na memória, atenção ou capacidade de orientação, mas que não causam prejuízos de suas funções do dia a dia. Segundo o médico apenas uma parcela dos pacientes portadores de CCL (cerca de 10%) piorará e evoluirá para um quadro de demência, como a doença de Alzheimer. A maioria ficará estabilizada e outros podem até melhorar.

Segundo Armentano, os pacientes, independentemente da idade, devem procurar o médico quando perceberem que os esquecimentos são frequentes e prejudicam o dia a dia. “É comum não lembrarmos de algumas coisas, às vezes. Já ocorreu com a maioria das pessoas esquecer o que foi fazer ao entrar na cozinha, por exemplo, mas normalmente recordamos depois de passado algum tempo.

Quando estas falhas acontecem sempre ou de uma forma a atrapalhar as atividades, está na hora de procurar atendimento”, explica o psiquiatra.

O AME “Psiquiatria” é uma unidade referenciada do SUS (Sistema Único de Saúde), que recebe pacientes encaminhados de postos de saúde ou dos Caps (Centros de Atenção Psicossocial).

Como melhorar sua memória:

1) Mantenha-se ativo. É importante que, mesmo na terceira idade, as pessoas tenham responsabilidades e mantenham seus papeis dentro da comunidade ou da família.

2) Não abra mão de seus momentos de lazer. Esta é uma das formas mais eficazes de cuidar da saúde mental.

3) Exercite-se. Vários estudos comprovaram que atividade física contribui para melhora do desempenho relacionado ao aprendizado e à memória.

4) Mantenha uma dieta balanceada e um estilo de vida saudável, diminuindo a chance de desenvolver obesidade, hipertensão arterial, diabetes e aumento do colesterol. Estas doenças podem prejudicar as funções cerebrais.

5) Mantenha vínculos sociais. Os aspectos afetivos são extremamente importantes e auxiliam muito a memória.

6) Exercite sua memória, o que vai muito além de preencher palavras-cruzadas. Ouça música, escreva. Ao ler um livro ou jornal, faça comentários, análises ou compartilhe informações, falando sobre o que leu. Ao assistir um filme ou novela, por exemplo, experimente contar o enredo para outras pessoas.

7) Treine sua capacidade de foco, tentando concentrar-se na tarefa que está realizando naquele momento. Muitas vezes, a queixa de memória é, na verdade, relacionada com a dificuldade de se manter concentrado e isso ocorre cada vez mais nos tempos atuais, em que temos que dar conta de diversas coisas ao mesmo tempo. Lembre-se: não é possível memorizar aquilo em que não se prestar atenção.

8) Pessoas na faixa de 30 ou 40 anos, com dificuldades, devem tentar treinar a memória, aumentando sua concentração, realizando uma tarefa de cada vez. É muito comum o perfil do adulto jovem distraído, que necessita melhorar seu nível de atenção.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Secretaria da Saúde São Paulo
Data: 13/08/2013

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *