Notícias

Ansiedade e estresse podem levar a descontrole alimentar

Alimentação emocional ou ‘comer sem fome’ pode desencadear ou piorar sentimentos ruins, afetando também a saúde física, alerta especialista do ‘Meu Prato Saudável’

O programa “Meu Prato Saudável”, parceria do Instituto do Coração (InCor) do Hospital das Clínicas da FMUSP com a LatinMed Editora em Saúde, decidiu alertar a população para os riscos da chamada alimentação emocional, que acontece quando a pessoa come mesmo sem fome em resposta a determinadas emoções. Ganho de peso, “efeito sanfona” (o indivíduo engorda e emagrece frequentemente) são as principais consequências dessa prática, com riscos à saúde.

Entre os sentimentos mais comuns, a ansiedade e o estresse lideram os fatores responsáveis pelo descontrole alimentar.

Segundo Lara Natacci, nutricionista do programa, sensações como tristeza, raiva ou culpa não melhoram depois que comemos. “Ao contrário, depois de comer demais para compensar esses sentimentos, vêm a frustração e a sensação de fracasso.”

Ela diz que associar comida como alívio para os problemas pode ficar “programado” no cérebro. “O mais indicado, nos casos de alimentação emocional, é buscar orientação psicológica para trabalhar o comportamento compulsivo em relação à comida, além de acompanhamento nutricional e atividades físicas”, pondera.

Identificar o que dispara o desejo de comer, além da necessidade do corpo, e descobrir a verdadeira relação com a comida são os primeiros passos para emagrecer com saúde. “Quem se relaciona com os alimentos pela emoção tem tendência a consumir mais carboidratos, laticínios e gorduras, que em excesso causam aumento de peso e, consequentemente, doenças relacionadas à obesidade.”

Confira abaixo algumas orientações da nutricionista para identificar o consumo emocional e como evitá-lo.

Características da fome emocional:

1. A fome emocional aparece de repente, enquanto que a fome fisiológica surge gradualmente.
2. Normalmente, o alimento emocional é de um tipo específico, que “conforta” a pessoa, e o consumo é urgente, não sendo possível esperar.
3. Quando o impulso de comer for desencadeado pela fome emocional, se o indivíduo se distrair com uma atividade prazerosa, ele pode desaparecer. Se for desencadeado pela fome fisiológica, ele não desaparecerá.
4. Se a pessoa come por emoção, muitas vezes, ela não consegue parar de comer, mesmo de já estiver saciada.
5. O fato de comer por emoção causa sensações de culpa e frustração, enquanto em condições normais a ingestão alimentar pela fome não causa essas sensações negativas.

Como evitar:

1. Bom fracionamento da alimentação. Pequenos lanches ao longo dia, além do café da manhã, almoço e jantar.
2. Evitar restrição alimentar severa.
3. Consumir alimentos fontes de triptofano, um precursor da serotonina (grão de bico, lentilha, laticínios, cereais), magnésio (cereais integrais e folhas verde-escuras), e carboidratos complexos (cereais ricos em fibras), que ajudam a melhorar o ânimo e a sensação de bem estar
4. Técnicas de relaxamento.
5. Atividade física regular.
6. Sono adequado.

O programa
Lançado em 2012, o “Meu Prato Saudável” é o maior programa de orientação alimentar do Brasil e tem como objetivo conscientizar a população a manter um peso saudável, já que o sobrepeso atinge 50% da população. Trata-se da reinterpretação da “pirâmide alimentar”, para facilitar o entendimento de uma alimentação equilibrada, com alimentos que os brasileiros já estão habituados.

A metodologia do “Meu Prato saudável” ensina: preencha metade do prato com verduras e legumes (crus e cozidos) e a outra metade, divida em carboidratos (arroz, massas, batata, mandioca ou farinhas) e proteínas (animal e vegetal).

Fonte: Assessoria de Imprensa – Secretaria da Saúde São Paulo
Data: 13/08/2013

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *